Vinnie Colaiuta

05 de fevereiro de 2015, por Editorial

Desde 1990 tocando na banda do ex-The Police Sting, o baterista Vincent "Vinnie" Colaiuta nasceu em Brownsville, na Pensilvânia, em 5 de fevereiro de 1956. Hoje quase um sessentão, Vinnie começou a tocar bateria ainda adolescente, quando ganhou o primeiro kit de seus pais, aos 14 anos.

Depois de frequentar a Berklee College of Music em Boston (EUA) por um ano, Colaiuta se mudou para Los Angeles e teve uma vida difícil, tocando em pequenas bandas locais.

Sua sorte mudou em 1978, aos 22 anos, quando fez uma audição com Frank Zappa, um teste que consistiu em tocar a difícil peça para bateria "The Black Page". Ele se saiu bem no teste e passou a trabalhar com Zappa como seu principal baterista de estúdio e em apresentações ao vivo.

Sobre a sua capacidade de executar as músicas notoriamente complexas de Frank Zappa, o guitarrista Steve Vai fez o seguinte relato:

"A leitura à primeira vista dele é uma das mais fantásticas que eu já vi no instrumento. Um dia estávamos num ensaio com Frank, isso foi no início dos anos 80, e Frank trouxe uma peça chamada 'Mo 'N Herb's Vacation'. Inacreditavelmente complexa. A bateria estava toda escrita, como em 'The Black Page', mas ainda mais complicada. Havia umas corridas em compassos como 17/3, e cada tambor estava especificado. E tinha um monte de gente lá, o Terry Bozzio estava lá. Vinnie tinha essa partitura ao seu lado direito, e à sua esquerda ele tinha uma outra estante de partitura, mas com uma bandeja desushi. O andamento da peça era lento como "The Black Page". E começou o primeiro riff, com todas aquelas maluquices de pratos, chimbal, rufos, rototoms e outras loucuras. E eu vi que Vinnie estava lendo a partitura, e ele tinha o hábito de empurrar seus óculos com o dedo médio de sua mão direita. Ele arrumava os óculos e virava a página da partitura com a mão direita, e com a outra mão ele pegava um pedaço de sushi no outro lado e colocava na boca, e tudo sem parar de tocar com os pés e mãos. Foi a coisa mais absurda que eu já vi. Frank desistiu dela e o Bozzio virou-se e foi embora. E eu tive uma crise de riso."

As performances de Colaiuta nos álbuns de Zappa -- "Tinseltown Rebellion", "Joe's Garage" e "Shut Up 'n? Play Yer Guitar" -- são consideradas por muitos bateristas como as mais impressionantes gravações já feitas. "Joe's Garage" foi declarado uma das 25 maiores performances de bateria de todos os tempos, em um artigo da revista Modern Drummer de 1993.

Após o trabalho com Zappa, Colaiuta passou a se apresentar com uma longa lista de artistas do rock e do pop, incluindo Gino Vannelli, Joni Mitchell, Barbra Streisand, Sandy & Junior, Clannad, Wang Chung, Chaka Khan, Sting e Jeff Beck. Também tocou com muitos músicos notáveis do jazz, como Chick Corea, Herbie Hancock, Jimmy Haslip, Quincy Jones, a Buddy Rich Big Band e Buell Neidlinger.

Reconhecido por suas habilidades técnicas e versatilidade, em 1990 Colaiuta se uniu à banda de apoio de Sting na divulgação do álbum "The Soul Cages". Colaiuta trabalhou com Sting pelos sete anos seguintes. Mais tarde, recusou o convite para participar da turnê de lançamento do disco "Brand New Day", de 1999, devido ao tempo que Sting pretendia viajar pelo mundo todo.

Os trabalhos de estúdio com Sting podem ser ouvidos nos discos "Ten Summoner's Tales" (1993), "Mercury Falling" (1996), três músicas em "Brand New Day" (1999) e duas em "Sacred Love" (2003). Em setembro de 2003, Vinnie voltou à formação com Sting, numa breve turnê promocional de "Sacred Love", mas novamente recusou convite para participar da turnê mundial.

Enquanto isso, Colaiuta lançou um disco solo em 1994, e continua a ser um dos mais requisitados músicos de estúdio, tocando em inúmeros álbuns, trilhas sonoras e jingles para rádio e televisão. Sua dedicação nos estudos é lendária. Dom Famularo, o famoso professor e amigo de Colaiuta, conta uma história sobre sua visita à casa de Vinnie. Ele abriu a porta de sua casa enquanto estudava num pad de bateria. Depois de alguns minutos de um bate-papo na porta, Colaiuta disse: "Sou um péssimo anfitrião, eu não lhe ofereci nada! Você quer um pad?".

Vinnie Colaiuta já ganhou por dezoito vezes o prêmio de "Baterista do Ano" da revista Modern Drummer. Com mais 10 prêmios na categoria de "Best Overall", Colaiuta entrou para o "Hall of Fame" da especializada Modern Drummer em 1996. A revista também diz que Colaiuta é o baterista mais importante dos dias de hoje. Já gravou e excursionou com Faith Hill, gravou com a banda de thrash metal Megadeth em seu álbum "The System Has Failed", e saiu em turnê com Jeff Beck e Herbie Hancock.

Tudo isso, no entanto, citando somente uma ínfima parte de seus créditos como músico de estúdio e sideman. No começo dos anos 1990, Colaiuta firmou uma parceria com a Zildjian para criar a uma linha personalizada de pratos A Custom. Depois, mais recentemente tornou-se endorser da Paiste. O baterista começou a tocar com instrumentos da Paiste na tour que fez com Sting, na qual utilizou um conjunto de pratos de modelos Formula 602.

Erik Paiste inclusive já chegou a afirmar que todos na Paiste se sentem "muito honrados por dar as boas-vindas a Vinnie à família Paiste." Vinnie Colaiuta ainda saiu numa tour com Herbie Hancock, na qual utilizou modelos Signature Traditionals. Ele começou como endorser da marca Remo, passou para Yamaha, depois, já em 2007 assinou com a Gretsch e, em 2012 com a Ludwig.

Desde janeiro de 2015 Colaiuta se apresenta com sua bateria feita sob encomenda pelo artesão Chris Heuer, além de usar as baquetas signature SVC da Vic Firth. Atualmente Vinnie segue realizando gravações em estúdio e tocando ao vivo na banda de Sting, com uma agenda de shows pelo mundo todo.

 

Assista ao vídeo do solo de bateria de Vinnie Colaiuta no show de Frank Zappa em 1978:

 

 

Vinnie Colaiuta Site Oficial 

Galeria de imagens

Veja também: Todas as biografias