Bate-papo site Batera com percussionista Chrys Galante

02 de setembro de 2015, por Rafael Ferraz
Percussionista que já rodou o mundo acompanhando alguns dos mais importantes artistas do cenário musical, Chrys Galante segue na divulgação do seu disco instrumental, Sinergia, o primeiro em carreira solo.
 
Lançado em 2015, o CD apresenta uma mistura de ritmos brasileiros com influencias melódicas de outros países pelos quatro cantos do mundo.
 
"As bases rítmicas, os tambores, a percussão eletrônica e samples se misturam às melodias e harmonias em uma linguagem popular, unindo a raiz de nossos tambores ao mundo moderno", explicou o músico ao site Batera

Após tocar com artistas como o trombonista Bocato, Luciana Mello, Wilson Simoninha, Max de Castro, Jair Rodrigues, Vania Abreu e Jair Oliveira, entre outros, o percussionista de São Paulo passou a registrar suas experiências e "tendo a alegria de compartilhar tal felicidade com vários amigos no estúdio", segundo ele.
 
O CD foi gravado em seu home estúdio, e "as composições foram nascendo e registradas em viagens, em casa, na rua e nos camarins com um gravador digital e depois lapidadas", disse.
 
Chrys contou com a participação dos músicos Michael Ruzitschka (violões, guitarra, duduk, kalimba e vocalize), Paulo Dáfilin (violões e viola), João Cristal (piano, rhodes e acordeon), Eric Budney (contrabaixo acústico e elétrico), Fábio Sá (contrabaixo), Bocato (trombone), Alexandre Ribeiro (clarinete e clarone), Marcelo Freitas (sax alto e barítono), Paulo de Viveiro (trompete), Jaziel Gomez (trombone), Amanda Maria (vocalize), Zé Godoy (piano, rhodes, hammond e wurlitzer), Ricardo Herz (violino), Moisés Alves (piano) e Marco de Vita (synth).

Dirigido e arranjado por Michael Ruzitschka e o próprio Chrys, Sinergia foi gravado e mixado no Estúdio Écoutez, por Zé Godoy. Masterizado no Estúdio Red Traxx Master por Felipe Tichaer, a direção de arte ficou por conta de Teresa Maita com fotografia de Caio Palazzo. No site do percussionista tem uma prévia do disco e registro de vídeos de alguns shows, clicando aqui
 
 
Assista ao teaser do show Sinergia:
 
 
Confira o bate-papo do site Batera com o percussionista Chrys Galante:


Quais têm sido suas atividades na música, atualmente? 

Tenho cada vez mais me empenhado para fortalecer meus conhecimentos nas raízes sonoras de nosso país, nossa cultura musical é muito rica e acredito ser de extrema importância mantê-la viva. A cada dia sinto a necessidade de tocar com outros músicos, a troca de experiência musical e conhecimento humano é muito rica, entende? Temos muito a acrescentar uns com os outros... Tenho um home studio e adoro passar horas criando e gravando minhas idéias.

Mesmo assim, você ainda segue tocando com outros artistas?

Neste ano estou focado em meu disco mas continuo acompanhando artistas como no projeto Quindim com grandes músicos e as cantoras: Giana Viscardi, Carla Casarim, Patrícia Talem e participação de Paula Lima, outros projetos com: Daniel Sam, Glaucia Nasser e Sensacional Orchestra Sonora, também participo de um projeto com crianças que se chama Música em Família, que neste ano gravamos um disco infantil tendo como referencia a Tropicália, logo mais será o lançamento deste trabalho.  Na música instrumental continuo tocando com Bocato e este ano participei do show do pianista Michel Lima.
 
 

Tem outros projetos encaminhados?

Estou iniciando pesquisa para um projeto sobre Baden Powell e formatando meu show para viabilizá-lo fora do Brasil.

Sendo percussionista desde 92, você até que demorou para lançar um disco seu, autoral. Como você resolveu que era hora de encarar um trabalho solo?

Foi muito espontâneo a vontade de fazer este projeto, não houve programação, acho que não estava preparado anteriormente. Não queria fazer um disco apenas por fazer, queria registrar minha identidade sonora e quando me senti a vontade rolou naturalmente...
 
 

Quando você diz que "as composições foram nascendo e registradas em viagens, em casa, na rua e nos camarins com um gravador digital e depois lapidadas", quer dizer que o Sinergia é projeto que reúne um pouco daquilo que você absorveu desses anos de estrada e vivência?

Com certeza, minhas referências são os sons que ouvi, os músicos que toquei, a vivência com minha família e amigos, os lugares, a comida... tudo que vivencio faz parte de mim e consequentemente da minha música.

Você mesmo comentou, que "teve a felicidade de contar com vários amigos no estúdio". Como reuniu esse pessoal, tendo o prestígio de contar com músicos com o trombonista Itacyr Bocato, por exemplo?

Como disse, são meus amigos em primeiro lugar, admiro a musicalidade de cada um. Neste trabalho reuni alguns de meus amigos que se identificavam com a sonoridade que eu queria alcançar, e nada melhor do que ter esse clima no estúdio, muito trabalho e muitas risadas também. O Bocato, além de eu admirá-lo como músico, foi quem me iniciou na música instrumental, tenho o prazer de acompanha-lo nos palcos e ter gravado alguns discos dele. Uma de minhas alegrias em meu disco é ter um solo do Bocato na faixa "Terras".
 
 
Você rodou o mundo acompanhando grandes nomes da música, tocando em festivais e gravando com outros artistas, bagagem revelada nessa influência de harmonias na percussão desse trabalho registrado em estúdio. Como é a experiência de apresentar o Sinergia ao vivo nos shows?

É uma experiência nova pra mim, acompanho vários artistas e sempre tem aquela emoção de entrar no palco, mas no meu primeiro show autoral fiquei muito nervoso... (risos), o frio na barriga foi muito maior, acho que me senti a vontade depois da terceira música, mas tem sido uma satisfação incrível, fazer o meu som, minhas influencias e com meus amigos no palco. Apesar do disco ser instrumental, tem uma linguagem popular e as pessoas tem se identificado, coloco o povo pra dançar em algumas músicas, como em "Luminescência", que é um Ijexá, Baião e Samba de Roda.

No geral, quanto a aceitação do público, você já enxerga um retorno para dar continuidade ao trabalho solo e lançar um próximo álbum?

Fiquei muito feliz com o retorno do público, sempre após os shows as pessoas vem falar comigo, seja para perguntar de um instrumento que nunca haviam visto, ou sobre a música, o show, enfim..... na platéia encontramos músicos, amigos, pessoas que admiram música, outras que é sua primeira vez em um show instrumental e me sinto com a sensação de dever cumprido, pude levar a estas pessoas por algum momento um universo diferente, se eu conseguir deixá-las mais felizes do que chegaram, para mim esta tudo certo.
E é claro que já penso em um próximo álbum, a experiência de conceber minhas ideias, vê-las nascendo no estúdio e executa-las no palco é uma sensação única... continuo andando com meu gravador digital.

FICHA TÉCNICA DO DISCO
 
Direção Musical: Chrystian Galante e Michael Ruzitschka
Produtor Musical: Michael Ruzitschka
Arranjos: Michael Ruzitschka, Chrystian Galante e Marco de Vita.
Gravação: Estúdios Écoutez
Técnico de Gravação: Zé Godoy
Mixagem: Zé Godoy
Masterização: Felipe Tichauer - Estudio Red Traxx Mastering
Direção de Arte: Teresa Maita
Fotografia: Caio Palazzo
Realização: Satélite Cultural
 
MÚSICOS CONVIDADOS
 
Michael Ruzitschka - Violões, Guitarra, Duduk, Kalimba , Vocalize e Samples.            
Fábio Sá - Contra-Baixo
João Cristal - Piano, Acordeon  e Rhodes                       
Eric Budney - Contra-Baixo Acústico e Elétrico
Paulo Dáfilin - Violão e Viola                        
Itacyr Bocato - Trombone
Alexandre Ribeiro - Clarinete e Clarone              
Marcelo de Freitas - Sax Alto e Barítono
Jaziel Gomez - Trombone                        
Paulo de Viveiro - Trompete
Amanda Maria - Vocalize                    
Marco de Vita - Synth
Zé Godoy - Piano, Rhodes, Wurlitzer, Hammond                              
Ricardo Herz - Violino
Moisés Alves - Piano
 



Assista ao curto trecho do show com os convidados, Felipe Roseno, Paulo Dáfilin, João Cristal, Eric Budney, Will Bone:

 
 Chrys Galante Site | YouTube | Facebook

Comentários

Veja também: Todas as entrevistas